13 fevereiro 2008

TIÃO ROCHA

Folha de S. Paulo, 26 de novembro de 2007
ENTREVISTA DA 2ª/
TIÃO ROCHA Vencedor do Prêmio Empreendedor Social 2007 desenvolve desde 1984 formasdiferentes para a criança aprender brincando
"Essa escola formal não serve para educar ninguém"

"A ESCOLA formal não está só na forma. Está dentro da fôrma. O pior é quando está no formol. É um cadáver." É assim que o educador mineiro Tião Rocha, 59, vê o ensino convencional, de cujos métodos e conteúdos se afastou há mais de 20 anos para experimentar processos alternativos de educação. À frente do Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento desde 1984, Rocha sempre persegue "maneiras diferentes e inovadoras" de educar, alfabetizar, gerar renda.
Ele distingue educação de escolarização e busca um sonho: escolas que sejam tão boas que professores e alunos queiram freqüentá-las aos sábados, domingos e feriados.
"Se ninguém fez, é possível", diz.
UIRÁ MACHADO COORDENADOR DE ARTIGOS E EVENTOS
FOLHA - Toda a sua história como educador é feita do lado de fora das escolas formais. Por quê?
TIÃO ROCHA - Se eu tivesse um analista, isso seria um prato cheio para ele. Comecei a ter problemas com a escola desde que entrei, aos sete anos. Logo no primeiro dia de aula, a professora leu um livro: "Era uma vez um lugar muito distante, onde havia um rei e uma rainha (...)". Eu levantei a mão e falei: "Professora, tenho uma tia que é rainha". Ela me mandou calar a boca. Depois que a interrompi duas ou três vezes, fui para a sala da diretora. A partir daí, eu sempre inventava coisa para matar a aula. Nunca tive uma escola boa. Nunca tive prazer na escola, mas sempre quis aprender. Quando fui para a faculdade, estudei história e antropologia, fui resgatar a história da minha tia, que era rainha do congado. Para pagar os estudos, eu precisava trabalhar. Fui dar aula e me dei conta de que, se eu achava aquilo chato, meus alunos também, porque eu era um reprodutor da mesma chatice.
FOLHA - E conseguiu mudar?
ROCHA - Criava jeitos diferentes de trabalhar com os alunos, inovava, mas, no fim, era uma experiência muito reformista. Ela começou a ser transformadora quando aconteceu o fato com o Álvaro, minha primeira grande perda [o garoto, excelente aluno, se suicidou]. Aí eu falei: "Opa! Não adianta querer que os meninos aprendam história se eu não consigo aprender a história da vida deles". Comecei a deixar de lado não só a forma mas também o conteúdo. Fui me libertando dos conteúdos cheirando a mofo e vi que estava partindo para outra coisa. Esse processo foi evoluindo na reflexão sobre o que é deixar de ser professor e virar educador. O professor ensina, o educador aprende.
FOLHA - O sr. começou seus projetos fora da escola, debaixo do pé de manga. O sr. acha que a escola formal serve para alguma coisa?
ROCHA - Ela serve para escolarizar. Dá um determinado tipo de informação e de conhecimento que atende a um determinado tipo de demanda, um determinado tipo de modelo mental de uma sociedade que aceita, convive e não questiona.
FOLHA - Essa escola educa?
ROCHA - Não. Ela escolariza. Uma coisa é falar em educação, outra é falar em escolarização. A maioria das pessoas que estão cometendo grandes crimes é escolarizada. Então, que escola é essa? Para que ela serve? Não é para educar. E essa escola continua sendo branca, cristã, elitista, excludente, seletiva, conformada. Ela seleciona conteúdos, seleciona pessoas, mas não educa.
FOLHA - O que significa ser branca?
ROCHA - Por exemplo: eu nunca tive aula sobre os reis do Congo, mas tinha aula sobre todos os Bourbons, reis europeus.
FOLHA - E conformada?
ROCHA - A escola não permite inovação. Ela é reprodutora da mesmice. A escola formal não está só na forma. Ela está dentro da fôrma. O pior é quando ela está dentro do formol. É um cadáver. O conteúdo da escola está pronto. Os meninos que vão entrar na escola no ano que vem, independentemente de quem sejam, de suas histórias, aprenderão as mesmas coisas. Recentemente, uma menina de nove anos, lá em Curvelo, virou para mim edisse: "Tião, vou ter prova e esqueci o que é hectômetro". Eu disse a ela que ninguém precisa saber o que é isso, que não se preocupasse, isso não cairia na prova. Mas caiu. Agora, criança de nove anos tem que saber isso? Do ponto de vista da escolarização, vai tudo bem. Se está educando ou não, ninguém discute.
FOLHA - Como deveria ser a educação?
ROCHA - Um projeto de vida, não de formação para o mercado. A lógica da vida não é ter um emprego. Ter analfabetos não pode ser um problema econômico, é um problema ético. A experiência que a gente vem desenvolvendo no CPCD é saber se é possível fazer educação de qualidade. Claro que é. Só que você tem que botar uma pergunta que a gente sempre faz. É o MDI: "De quantas maneiras diferentes e inovadoras eu posso"... O resto você completa com uma ação: educar, alfabetizar, diminuir a violência.
FOLHA - Até onde vale criar soluções?
ROCHA - Na educação, qual é a melhor pedagogia? É aquela que leva as pessoas a aprender. Na escolarização, a melhor pedagogia é aquela que dá mais sentido para quem a aplica. O CPCD foi secretário da Educação de Araçuaí(MG). Os meninos demoravam duas horas no ônibus. Então colocamos educadores no ônibus. Toda secretaria de Educação pode fazer. É só sair da caixa. Uma outra questão é o acesso aos livros. Eu me perguntei se os livros perderam o encantamento ou se foi a escola que não soube mantê-los encantados. Juntei um monte de livros em baixo da árvore e mandava a meninada ler. Em volta, deixava montinhos de sucata e escrevia uma placa: música, teatro, artes plásticas, literatura. Tudo que o menino lesse, tinha que ir numa direção e fazer música, teatrinho etc. É um jogo. Ler e transformar, do seu jeito. Eles ficavam lá a tarde inteira. Vinha gente de longe. Por que esses meninos nunca tinham entrado numa biblioteca da escola? Porque eles não tinham prazer. Quando iam ler um livro, tinham que dissecar a obra, responder a perguntas.
FOLHA - Como mexer no conteúdo do ensino? Tem um conteúdo básico?
ROCHA - Claro. Tem que ter alguma coisa para começar. Precisa aprender os códigos de leitura, raciocinar e fazer cálculo, as quatro operações básicas. Mas não precisa saber o que é hectômetro. Há uns 20 anos, tinha um projeto do governo para combater a doença de chagas no sertão. Iriam construir casas de cimento no lugar das de adobe. O adobe resolve bem a questão térmica, o cimento, não. Mas os engenheiros disseram que não sabiam fazer casa de adobe de qualidade. Fiquei imaginando: eles não foram formados para fazer casas dignas para a população. Querem fazer em São Paulo e no sertão uma casa do mesmo tipo. Que lógica é essa? É a lógica do modelão.
FOLHA - O sr. é a favor de uma pedagogia específica para cada pessoa?
ROCHA - Não. O que não pode é aprender uma única coisa, todo mundo igual, dar pesos desiguais, negar ou excluir coisas em função de critérios que são ideológicos. Mas não é "cada um faz o que quer". É possível criar uma sociedade polivalente, diversificada? É, porque não foi feito ainda. Se ninguém fez, é possível. Isso é o que eu chamo de utopia. Utopia para mim não é um sonho impossível. É um não-feito-ainda, algo que nunca ninguém fez. É possível aprender brincando? Vamos ver. A gente aprende fazendo. Aí eu coloco um indicador: a escola ideal deve ser tão boa que professores e alunos desejem aulas aos sábados, domingos e feriados. Hoje, temos exatamente o contrário.
FOLHA - Como nasce uma nova forma de ensinar?
ROCHA - Da dificuldade ou da pergunta. Somos movidos por uma pergunta, que vira um desafio, que vira uma encrenca. É possível educar debaixo do pé de manga? Vamos ficar pensando ou vamos aprender fazendo? O nosso verbo é o"paulofreirar", que só se conjuga no presente do indicativo: eu"paulofreiro", tu "paulofreiras" e por aí vai. Não existe "paulofreiraria", "paulofreirarei". Ação e reflexão, agora. As respostas vão sendo testadas e viram novas metodologias, pedagogias. Assim surgiu a pedagogia da roda, um jeito de combater a evasão dos meninos.
FOLHA - Seus métodos são tão abertos a ponto de aceitar que uma criança queira aprender na escola formal? Ou você quer acabar com a escola?
ROCHA - Eu não quero acabar com a escola. Ela é muito mais importante do que parece. Mas ela precisa ter a ousadia de experimentar. É uma lástima dar às crianças só o que a escola formal oferece. É muito pouco. As pessoas querem tirar os meninos da rua e levar para a escola. Por que, em vez de tirar da rua, não mudamos a rua? Lugar de criança é na escola, na rua, em todos os espaços. Todos os espaços podem ser de aprendizado. Há experiências de cidades educativas muito legais.
FOLHA - Como é sua relação com os governos?
ROCHA - Eu não vejo muita diferença. Todos eles estão dentro da mesma caixa, só muda a cor. A escola que tem agora não é muito diferente da de oito anos ou 20 anos atrás. A gente não consegue estabelecer alianças com os governos porque incomoda pensar fora da caixa. Então a gente vem aprendendo a fazer política pública não-governamental.
NA INTERNET: Leia mais trechos da entrevista com Tião Rocha em www.folha.com.br/073271
Saiba mais sobre a origem e funcionamento dessas pedagogias em
www.folha.com.br/073272

4 comentários:

Mário disse...

Giulia, sempre acreditei que nosso sistema de ensino emburrece em vez de ampliar a inteligência. A escola não fornece qualquer apelo para a pesquisa espontânea, não motiva, não estimula o aprendizado e nada inova. Lendo esta entrevista fiquei feliz por ver que alguém também pensa assim. Que bom. Abraços do Mário.

Santa disse...

Querida Giulia

Antes quero pedir desculpas pela ausência em visitar os amigos. Estive mais de dois meses envolvida em um trabalho no interior do Estado, com tempo quando muito para postar. Quase desisto do meu blog. Por vários motivos, inclusive o de achar que pouco estou contribuindo para reverter (nas minhas parcas limitações) a situação deplorável em que se encontra o País.

Por outra, admiro muito o teu blog: combatível sempre!!

Bjs

Bjs

Santa disse...

Correção: limitações, leia-se contribuições...rsss

Camila disse...

Concordo, a educação formal está em crise. mas os jovens precisam ser educados em escolas com disciplinas artísticas. Eu acho que aulas de teatro, pintura, ou aulas de musica são grandes para aumentar a criatividade dos jovens.